Os passos apunhalando
a quietude, o salto
dedilhando quatro
andares.
O encaixe da chave,
o giro, ritmos
anunciam: emerges
de um longo mergulho.

Chegas em casa.
Penso: a poesia resiste
como revelação.

Chega.

Despe-se.
Deixa a calcinha
no chão da sala.

Chaga.

Súbito a lâmina
fere o fruto.
Aroma ilumina.

A calcinha recende.

Acaso
trouxesse da lojinha esotérica
ou do hare krishna
incensos
seriam menos
sacros
que o teu
cheiro
aceso.

A calcinha
e os livros
de poesia
no corpo
do apartamento
calcinam
o silêncio.

Sobrepomos os lábios.
Habito o hálito.
Pomos sangram
sintaxe sem eufemismos.


Recende
em alto e bom som
animais
não sabem
ciciar

o cio.

2 comentários:

Anônimo disse...

A Poeme-se e o Plástico Bolha se juntaram para colocar a poesia em movimento! Se você escreve e curte colocar a poesia em movimento, essa é a sua chance de estampar uma camiseta da Poeme-se com um poema de sua autoria!

Como participar? Envie seu poema com até 140 caracteres (incluindo os espaços) para o e-mail contato@jornalplasticobolha.com.br. Veja todas as regras no Regulamento.

O resultado sai no dia 15/09. Boa sorte!

- See more at: http://blog.poemese.com/concurso-cultural-inverso-avesso

Gustavo Petter disse...

Já havia visto uma postagem divulgando a promoção pelo facebook, e logo enviei um poema. Agora é esperar pelo dia 15/09.